terça-feira, 28 de dezembro de 2010

VINI, VINDI...

Como de praxe, fui atirado no mundo sem autorização alguma. Agora quem não quer sair sou eu!

O único diferencial que ofereço ao mundo é minha determinação de questionar. Questiono até o ato de questionar.

Acho que é inevitável (deveria ser) a qualquer ser pensante querer saber o porquê de tudo (isso é ser verdadeiramente epistemólogo).

Quem não pára para pensar deve ser bem feliz, pois não se angustia com o porvir do universo, os grandes porquês, etc.

Tenho uma enorme efervescência em minha mente, e não sei se um dia vou externá-la.

De qualquer modo, estou juntando nesse blog alguns textos meus de diversas épocas e assuntos com o objetivo de "sacudir", semear, ensinar, debater, etc.